terça-feira, 16 de junho de 2009

O conto e o reconto

O ato de contar de histórias ainda é uma a melhor forma de desenvolver a imaginação das crianças que ainda não desevolvem as habilidades de leitura da escrita.
Há quem diga: Quem conta conta um conto, aumenta um ponto". Vejamos como Ellison Asafe Rocha Sarmento, 4 anos, Jardim II se desenvolve no reconto de uma história.

OBRA LITIRÁRIA ESCOLHIDAS:
-SOLANGE, A. Fonseca Gontijo. Pepita, a piaba. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2004.
-Adaptado de Willian J. Bennett. O livro das virtudes para crianças. São Paulo: Nova Fronteira,1997.


O Conto: Pepita, a piaba.

Lá no fundo do rio vivia Pepita: uma piaba bem miudinha. Mas pepita não gostava de ser assim.Ela queria ser grande... bem grandona... Tomou pílulas de vitamina, vez musculação para peixe... Mas nada... Continuava miudinha.
_O que é isto? Uma rede? Uma rede no rio! Os pescadores! Ai, ai, ai...
Foi um corre- corre, um nada, um nada, Mas muitos peixes ficaram presos na rede.
E pepita? Pepita escapuliu da rede, e nadou para bem longe dali! E falou:
_Ufa! Se eu fosse grandona... eu nem quero pensar o que seria de mim.


O reconto de Ellison Asafe.

Era uma vez uma pepita que gostava de pescar, ela foi para Belém para pescar ninguém gostava dele e ele pescou um monte de peixe, ela tava lá no rio ela tava chorando acabou de chorar, ela foi procurar e ela foi pro mar, uns peixes grandes e os pescadores e ela fugiu dos pescadores, porque ela era pequenininha.
Interpretação do Conto “O pastorzinho e o lobo”.


Um menino mentiroso
Um pastorzinho levou suas ovelhas para pastar fora da aldeia.um dia quis pregar uma peça nos vizinhos:
_Um lobo, um lobo, socorro. Ele vai comer minhas ovelhas,
Os vizinhos largaram o trabalho e saíram para o campo socorrer o menino. Mas ele começou a gargalhar. Não havia lobo nenhum.
Outro dia ele decidiu brincar novamente quando os vizinhos vieram, não tinha lobo nenhum e começou a caçoar de todos.
Mas um dia o lobo apareceu de verdade e começou a atacar as ovelhas.Morrendo de medo, o menino saiu correndo.
_Um lobo, um lobo, socorro. Ninguém veio ajudar e o pastorzinho perdeu todo o rebanho
Ninguém acredita quando um mentiroso conta a verdade.


O reconto de Ellison Asafe

Era uma vez um lobo mau que era muito engraçado, ele gostava de comer, ele comeu todas as ovelhas, quando ele tava comendo uma ovelha, porque ele estava com muita fome, o menino estava na rua e ouviu o grito das ovelhas, ninguém acreditava nele, e o lobo mau comeu todas elas.

sábado, 23 de maio de 2009

Quem foi o meu Monteiro Lobato?

O Monteiro Lobato é um grande estímulo para qualquer iniciante no mundo da leitura, um escritor extremamente crítico que dedicou boa parte das suas obras produzindo literatura infantil.
Infelizmente na minha infância e adolescência, as escolas por qual passei não me deram a oportunidade de conhecer suas obras, nem ao menos estimulavam, a fazer esses leituras e outras, recordo apenas da indicação de um livro para a confecção um trabalho, líamos com freqüência livros de conteúdos, dessa forma meu interesse pelo leitura começou já na idade adulta quando me dei conta que eu podia entender o que eu lia, e ainda mais, que podia discutir, refletir e questionar as idéias dos autores, antes disso tive alguns ensaios de animo lendo algumas obras de Machado de Assis que uns amigos emprestavam-me , mas que não foram muito longe, não recordo de espaços de leitura nas minhas escolas, a única que conhecia ficava umas 2 horas longe de casa que só de pensar em ir atrás já fugia o interesse.
Tudo começou no ano de 2001, quando fui trabalhar no KUMON cidade nova, ganhei um dos maiores presentes da minha vida, a oportunidade de estudar duas disciplinas, português e matemática pelo o método Kumon, confesso que logo no início não apresentei interessei por português, até por causa das dificuldades que sentia com a leitura, e matemática era muito mais dinâmica eu dominava boa parte dos seus conceitos, depois de um tempo fui chamada para compor o novo quadro de orientadores de português, foi aí que começou os estímulos.
Lá eles tinham uma bibliografia recomendada para a leitura diária dos alunos, todos os alunos sempre que chegavam ao Kumon tinham que ler os livros por 15 minutos. Eu tive que ler boa parte das bibliografias para poder fazer indicações quando fosse necessário.
Todas as tarefas, no início tinham testos que deveriam ser lidas por cada aluno em voz alta para o orientador, este por sua vez tinha que acompanhar a leitura para verificar se o aluno estava lendo corretamente e com a entonação adequada, além disso eu tive que fazer o material do Kumon, para poder orientar os alunos, e posso dizer que era um material muito rico em testos e abrangia assuntos sobre as diversas áreas. E além do meu material eu tinha que ler e corrigir o material que os alunos traziam de casa.
Foi tanto estímulo, que desenvolvi uma boa compreensão de texto. o Kumon abril a minha mente, abril meus horizontes, despertou-me para a leitura, desenvolveu meu pensamento crítico e argumentativo e hoje posso dizer que o MEU MONTEIRO LOBATO foi o Kumon, pois ¼ do que eu li em 4 anos no Kumon não chega nem á metade do que eu li em toda a minha infância e mocidade.